Saturday, December 8, 2007

o jardim das delícias terrenas

nesta viagem eu vi uma porção de quadros. mas uma porção meeeeesmo. tanto, que chegou uma hora que eu não conseguia ver mais nada. tudo era retrato de rei, rainha, anjo, virgem maria, jesus sofrendo, jesus na cruz, jesus de tudo-quanto-é-jeito-menos-feliz.
e no fundo, tanto museu valeu a pena apenas por umas muito poucas coisas. por exemplo, ver o Las Meninas do Velazquez, no Prado. e depois os estudos que o Picasso fez sobre este quadro, e que estão no Museu Picasso, em Barcelona. fiquei de olhinho vidrado na tela enquanto eles mostravam e explicavam as transformações que ele fez no quadro original. bagunçou com tudo e reinventou a realidade da fantasia.
e depois teve El Entierro del Señor de Orgaz, do El Greco, que eu vi em Toledo. imagine que eu paguei ingresso praticamente só pra ver isso. e adorei. pois foi das poucas coisas que vimos em toledo. e achei o máximo ir num museu por conta de um quadro apenas. fiquei um tempão debruçada na cerca só observando os detalhes.
mas nada disso se comparou ao Jardim das Delícias Terrenas do Bosch. e isso eu vi logo assim no terceiro dia, bem na entrada, no comecinho de ver as tantas coisas que tem no Prado. um quadro pintado em 1500 e que antecede, em muito, o surrealismo, com o qual parece muito.
olhei pra ele, e fiquei com vontade de ficar ali pra sempre, olhando cada coisinha do quadro e pensando naquilo.
fiquei pensando na vida e em como as coisas são. a gente vai vivendo uma porção, vendo tanta coisa diferente, mas o que fica mesmo é muito pouco. cada um tem um filtro diferente pra selecionar o que fica. e isso faz tooooda diferença. pois eu filtrei este jardim nesta viagem e fui carregando ele comigo pelo resto do tempo.

2 comments:

Maria Rosa said...

a vida é assim, cheia de pequenas coisas...

Clarice Rios said...
This comment has been removed by the author.